JESUS CRISTO HOMEM

Vamos estar compartilhando o tema "Dois Fundamentos". Diga: DOIS FUNDAMENTOS. Os crentes, os cristãos se encontram em um destes dois fundamentos, dois fundamentos que se encontram biblicamente, pois vamos ver isso.
 
Vamos rapidamente, vamos a Gálatas, capítulo 2, versículo 7; Gálatas, capítulo 2, versículo 7 para dar início. Estas são coisas que nosso ministério, nosso Apóstolo, já vem tocando por muito tempo e vamos repassar. Porém é muito importante que entendamos que há Dois Fundamentos. Então, vamos aqui, vamos rapidamente, vamos identificar os dois fundamentos, Gálatas 2:7. Estamos todos aí? ABA PAI? Nem todos disseram: -ABA PAI! -. ABA PAI? Vamos rapidamente, vamos ler, diz: "Antes pelo contrário, como viram que me havia sido encomendado o evangelho da incircuncisão, como a Pedro o da circuncisão." Aqui devemos compreender que há dois fundamentos: há um fundamento de circuncisão, e há um fundamento de incircuncisão. Então, nós como crentes devemos compreender em qual fundamento estamos sobreedificando.
 
A você interessaria saber em qual fundamento você está sobreedificando? Obviamente nós, o Ministério Creciendo en Gracia sabemos sobre qual fundamento estamos edificando. Sem dúvida, para muitos cristãos que estão alheios ao nosso Ministério, ao nosso Apóstolo, ao nosso apostolado, não sabem em qual fundamento eles estão edificando. Nós temos visto a manifestação de Deus na vida do nosso Apóstolo, na vida do nosso ministério, e vemos que há dois fundamentos, há dois apostolados. É necessário que nós, você e eu, entendamos e recebamos em qual fundamento estamos sobre edificando. Aqui o apóstolo Paulo escreve dizendo: "Antes pelo contrário, como viram..." Quer dizer que se pode ver em qual apostolado você anda, em qual fundamento você anda.
 
Pois, vamos dar um pouco de base bíblica. Vamos rapidamente a Hebreus, capítulo 9, versículo 8 para repassar; Hebreus, capítulo 9, versículo 8. Vamos ver as bases do fundamento da circuncisão, Hebreus, capítulo 9, versículo 8. Diz: "Dando o Espírito Santo a entender com isto que ainda não se havia manifestado o caminho ao Lugar..." Quê? Observe, havia um caminho que era o Lugar Santíssimo, sem dúvida, antes de Cristo morrer na cruz do Calvário este caminho não estava aberto. Esse caminho estava ali, porém ainda não tinha sido aberto para que você caminhasse por ele; que é o caminho novo e vivo que Cristo nos abriu, assim é, através do véu. Então, nós como crentes, como povo da graça, devemos entender que estes dois fundamentos não podem ser misturados. Ou você anda no fundamento da circuncisão, ou anda no fundamento da incircuncisão; porque são duas leis, são dois apostolados, são dois pactos. A Bíblia se divide em dois pactos: um velho, e um novo pacto; circuncisão, incircuncisão; lei, graça; Paulo ou Pedro. Esses dois não se podem misturar.
 
Então observe, aqui o apóstolo Paulo escreve dizendo: "Dando o Espírito Santo a entender com isto que ainda não se havia manifestado o caminho ao Lugar Santíssimo, enquanto a primeira parte do tabernáculo estivesse de pé. O qual é símbolo..." Diga: SÍMBOLO. "...para o tempo presente, segundo o qual se oferece ofertas e sacrifícios que não podem fazer perfeitos, quanto à consciência, ao que pratica esse culto, já que consiste só de comidas e bebidas, de diversas abluções, e ordenanças acerca da carne, impostas até o tempo de reformar..." Quê? "...as coisas." Nós, através de nosso Apóstolo temos entendido que se Cristo já está presente, já fomos livrados daqueles símbolos e aquela sombra que está fundamentada sobre o fundamento da circuncisão. O fundamento da circuncisão se estabelece como "obras mortas"; obras que Cristo fez nos dias de sua carne, mas fez como substituto meu e seu. Ele não é nosso exemplo, ele foi o nosso substituto.
 
Então, os crentes hoje em dia por não entender estes dois fundamentos, se encontram num cristianismo onde dizem: -Cristo me salvou-. Porém seguem debaixo de um fundamento de obras mortas, seguem sacrificando, seguem ofertando, rendendo culto, seguem jejuando e fazendo vigília, e repreendendo o diabo, e fazendo e desfazendo. Tudo isso por não compreender os dois fundamentos. Você e eu temos compreendido estes dois fundamentos e ao compreendê-los temos nos livrado daquelas coisas que pertencem ao velho pacto, que pertencem a um velho fundamento.
 
Agora vamos rapidamente, vamos identificar esse velho pacto, vamos a Hebreus, capítulo 6, versículo 1. O fundamento da circuncisão se estabelece debaixo da vida e da religião de uma pessoa. Quando digo que o fundamento da circuncisão se estabelece debaixo da religião e da vida de uma pessoa, estamos falando de uma pessoa muito importante, uma pessoa muito controvertida, que foi o tema que nosso Apóstolo nos trouxe na semana passada: Jesus de Nazaré vs. Jesus Cristo. Observe, que para você entrar no fundamento da incircuncisão, você tem que deixar a vida e a doutrina e a religião de Jesus de Nazaré. Porque se estabelece como um fundamento de obras mortas.
 
Vamos rapidamente, vamos ler, diz. Estamos todos aí? ABA PAI? Diz: "Portanto, deixando já os rudimentos da doutrina..." Do diabo? "...deixando já os rudimentos da doutrina..." De Moisés? -Pastor, certamente, estamos edificando sobre o único fundamento e se chama Jesus-. Dependendo de qual Jesus você está falando. Porque Jesus teve duas manifestações, teve a manifestação que se chamou "filho de Deus" e teve a manifestação quando ressuscitou de entre os mortos e já não era filho de Deus, é Deus sobre todas as coisas. Então, depende de qual fundamento em que você se encontra. Pedro era um apóstolo de um fundamento de obras mortas, porque todo seu apostolado se baseava na religião de um homem. -Pastor, você continua falando da religião de um homem, ele não era homem, ele era Deus manifestado em carne -. Porém foi feito homem, e foi feito servo da circuncisão, segundo Romanos.
 
Então, se seguirmos a Jesus de Nazaré nos dias de sua carne, então vamos estar sobre um fundamento que o apóstolo Paulo chama, fundamento de obras mortas. Vamos ler, diz: "Portanto, deixando já os rudimentos da doutrina de Cristo, vamos adiante à perfeição, não lançando outra vez o fundamento do arrependimento de..." Obras vivas? De obras o quê? Diga: OBRAS MORTAS. Então, começa uma descrição do que são essas obras mortas: da fé em Deus, do batismo, do juízo eterno. Então, se fica preso em "obras mortas", tudo o que se vivificou no antigo pacto, hoje em dia é um fundamento de obras mortas. - Pastor, o que é uma obra morta -? O pecado é uma obra morta. Se você ler todo o antigo testamento, a palavra pecado era símbolo de temor, era algo que você não queria, havia medo. Por quê? Porque se estabelece debaixo de um fundamento de circuncisão. A primeira obra morta é o pecado, segunda obra morta é o batismo. João quando foi batizar disse: -Eu faço isto como símbolo de arrependimento -. Era um símbolo, não era a verdade mesmo, ele fazia com base em arrependimento. Você e eu não temos que nos arrepender, nós fomos reconciliados com o Senhor.
 
-Pastor, quer dizer que há dois fundamentos: um fundamento de obras mortas e outro de obras vivas, por assim dizer? -. Não é outro fundamento de obras vivas, é melhor, é um caminho novo e vivo que ele nos abriu através de seu véu. Então, são dois fundamentos nos quais você e eu temos que analisar em qual estamos sobre edificando. Se estamos sobre edificando sobre o que Jesus disse e o que Jesus fez nos dias de sua carne, ou se estamos seguindo o evangelho da incircuncisão, que é a palavra revelada, a sabedoria oculta, que ele nos deu depois que ressuscitou. Esta noite vamos compartilhar um pouquinho, vamos analisar um pouquinho, porque em nosso ministério se faz um juízo bastante forte, quando falamos do sistema, que anda em maldição.
 
Pastor, mas como você se atreve a dizer que o irmão da esquina, tão boa gente que é, anda em maldição -? Bom, que exemplo ele está seguindo? Em que fundamento ele está? Então observe, nosso Apóstolo nos falou o que é necessário para a transição de um fundamento de obras mortas. Para você poder entrar no caminho novo e vivo, tem que fazer uma transição, tem que deixar umas coisas. 
 
Vamos rapidamente, vamos a Romanos, capítulo 7, versículo 4. Vamos ver qual é o caminho vivo para poder deixar esse fundamento de obras mortas. Você sabe que cada um de nós tem tomado um caminho vivo? E esse caminho começou quando nós descobrimos que não somos de Jesus de Nazaré, que nós somos do outro, daquele que Ressuscitou de entre os mortos. Esse caminho novo e vivo, é a transição de um fundamento a outro fundamento, de um ministério de condenação a um ministério de justificação e começou quando você transpassou o véu. Vamos rapidamente, vamos ler aqui. Romanos, capítulo 7, versículo 4, diz: "Assim também vós, irmãos meus, estais mortos a lei mediante o corpo de Cristo, para que sejais de..." Quem? Eu sei que isto temos estudado sempre, mas como isso é importante! Quão importante isto é!
 
Você sabe que nestes dois fundamentos há um que te mata e outro que te vivifica? Se você se identifica com o apostolado da incircuncisão significa que você já não conhece a Cristo segundo a carne; significa que você vai atrás de instruções que já não são de Jesus de Nazaré; significa que agora você não anda em uma religião, agora você anda no fruto do Espírito. A religião de Jesus de Nazaré, o Apóstolo me enfatizava isto. Dizia: "A religião de Jesus de Nazaré". -Pastor, você está me dizendo que os que se encontram no fundamento da circuncisão estão em uma religião -? Sim. O sistema inteiro se encontra debaixo da religião de Jesus de Nazaré. Jesus andava, eles andavam; Jesus se batizou, eles se batizam; Jesus se crucificou, eles não se crucificam. Está entendendo o que estou falando? Isso é uma religião. Jesus jejuou, os cristãos de hoje fazem o quê? Jejuam; Jesus vigiou. E isso tudo tem a ver por causa de uma lei, isso tem a ver com um fundamento de obras mortas, que Paulo disse que tem que ser deixado, que tem que ser deixado esse fundamento.
 
E para você poder deixar esse fundamento tem que chegar a conclusão de um só apóstolo. Você não pode misturar Paulo com Pedro, porque Paulo e Pedro têm dois fundamentos totalmente diferentes. -Não pastor, Paulo e Pedro eram amiguinhos e logo...- Não, não eram amiguinhos. Viu-se contundentemente que a Paulo foi dado o evangelho da incircuncisão, como a Pedro o da circuncisão. Estes dois fundamentos são totalmente opostos; ou você anda no fundamento da circuncisão, ou você anda no fundamento da incircuncisão; ou você está com Pedro, ou com Paulo, você não pode é andar com os dois. -Pastor, quer dizer que este negócio de dois fundamentos é bem sério. É bem sério. É muito sério, porque debaixo do apostolado ou do fundamento da circuncisão você vai andar em diversidade. Se você andar debaixo do apostolado da circuncisão, você vai ter que andar juntamente com João, Tiago, Judas e o restante dos apóstolos. Tiago, era um que não suportava os gentios, João também não. Então, Deus chama a um só para os gentios.
 
Então vamos rapidamente ler, estou me desviando um pouquinho. Diz: "Assim também vós, irmãos meus, estais mortos à lei mediante o corpo de Cristo, para que sejais de outro, daquele que ressuscitou dos mortos, a fim de darmos fruto..." Para os homens? Para quem? Você sabia que seguindo a doutrina de Cristo, ou seja, a religião de Jesus de Nazaré você não dá fruto para Deus e sim para os homens? O que você vê hoje em dia são cristãos que seguem a religião de Jesus de Nazaré, carregam Bíblias bem grandes somente para serem vistos. E às vezes quando você vê você diz: -Veja, este é cristão, veja o tamanho da Bíblia que carrega. Veja o quanto jejua, o quanto que faz vigília, esse segue as pisadas do Mestre -. Então você pensa que isto dá fruto para Deus, mas não é assim porque isso dá fruto para os homens. Dá fruto para as aparências, isso é um fundamento de obras mortas, foi o que disse Paulo. Paulo estabelece que os que andam seguindo a doutrina de Cristo estão debaixo de um fundamento de obras mortas, que Paulo disse para não lançar outra vez. Porque Cristo fez isso uma vez e para sempre, para tirar a maldição do meio.
 
Então, é necessário você ser do outro? Bem necessário. -Pastor, quer dizer que quando eu reconheço que Jesus já não é de Nazaré, mas é Jesus Cristo, o Reis dos reis e Senhor dos senhores, e já não o vejo como filho de Maria, nem como filho de Deus, mas que agora o vejo como Deus mesmo -, é aí que começo a dar fruto para Deus? Isso mesmo, é aí que você começa a compreender as grandezas do evangelho. São bem importantes estes dois fundamentos. Eu sei que isto soa como loucura. -Pastor, quer dizer que vocês são antiJesus de Nazaré -? Sim. Com o maior respeito, com o maior respeito somos antiJesus de Nazaré. -Pastor, mas porque vocês são antiJesus de Nazaré -? Pois, especificamente porque entendemos que o que ele fez, o fez por nós, não para que fizéssemos também. Ele foi nosso substituto, não o nosso exemplo. ALÔ! Estes dois fundamentos são sumamente importantes. Não compreender estes dois apostolados vai levá-los a seguir outro evangelho.
 
Vamos a Romanos, capítulo 3, versículo 27 para ver quanto zelo você deve ter por esse evangelho. Porque observe a circuncisão e a incircuncisão ambas são bem demandantes. Você sabe que na lei de Moisés, no fundamento da circuncisão dizia que o homem que fizesse, viveria por isso, pelas coisas que fazia. Porém se de repente violasse um ponto da lei seria culpado de toda ela. Pois de igual maneira, o evangelho da incircuncisão exige tanto quanto o evangelho da circuncisão. Porque se alguém anunciar outro evangelho diferente do que Paulo pregou seja o quê? Anátema. Para que você seja fiel a este apostolado da incircuncisão, não pode misturar estes dois fundamentos. Você tem que respeitar para o que foram feitos esses dois fundamentos: um fundamento foi de morte, e se você quer optar estar debaixo de um fundamento de maldição e de morte, siga pois a doutrina de Cristo, a doutrina de Moisés.   Quantos querem estar debaixo de maldição? Diga: UIIIII! Não, ninguém quer andar em maldição. Quantos querem andar dando fruto para Deus? Todos nós.
 
Observe que tanto um como outro são leis. Vamos rapidamente, Romanos, capítulo 3, versículo 27, diz: "Onde, pois, está a jactância? Fica excluída. Por qual lei?..." Quando se fala de dois fundamentos são dois apostolados, são dois pactos, são dois povos e são duas leis. Uma lei de obras e outra, a lei da fé. Por isso Paulo vem e diz que sem fé é impossível agradar a Deus. E que tudo que não provém da fé, tudo que não provém do evangelho da graça é pecado. Porque veja, neste mundo não vai haver outros fundamentos, somente há dois: ou você está na graça, ou você está na lei. Mas não pode estar em outra coisa que não seja estes dois. Um primeiro pacto e um último pacto. Se você não se encontra guardando a incircuncisão, obviamente está guardando o quê? A circuncisão.
 
-Pastor, aqui não tem escapatória-? Não, não tem escape. Ou você está em um fundamento, ou está no outro. Diga: EU ESTOU NO FUNDAMENTO DA INCIRCUNCISÃO. Porque observe, diz: "Onde, pois, está a jactância? Fica excluída. Por qual lei?..." Paulo faz uma pergunta aqui. Em qual fundamento você anda? Debaixo de quais leis você anda? Ou anda no fundamento da circuncisão, ou anda no fundamento da incircuncisão; ou anda na lei, ou anda na fé. Porque não pode ser nos dois. Você sabe, não há um terceiro: é um, ou é outro. Ou é um fundamento de obras mortas, ou você anda no caminho novo e vivo. Ou anda abençoado, ou anda Deus te... Pip! Pip!, para que nenhuma palavra corrompida saia da vossa boca. Ou você anda no Deus te..., ou você anda no que estou abençoado.
 
Você e eu temos que chegar a uma conclusão nesta noite, porque eu não vou deixar você sair daqui sem conclusão. E temos que levar também uma conclusão às nações: ou você anda retamente conforme a verdade, ou anda em simulação, em hipocrisia, em maldição. Um dia abençoado, outro dia, Deus te... Pip! Você tem que chegar a uma conclusão se quiser dar fruto para Deus. Quantos querem dar fruto para Deus? Então você tem que chegar a uma conclusão. (Aplausos)
 
Diz: "Onde, pois, está a jactância? Fica excluída. Por qual lei? Pela lei das obras? Não, pela lei..." De quê? "...da fé." Uma das coisas que nosso Apóstolo tem nos ensinado é servir a Deus com a mente, não atentando para as coisas que se vêem, mas para as coisas que não se vêem. Então, o evangelho estabelece uma justiça, mas esta justiça você não vê, esta é uma justiça pela fé. Quando você diz: -Estou abençoado. Estou perfeito. Estou santo e sem mancha. Estou livre da potestade das trevas, o diabo foi destruído -. Para o sistema, eles não vêem isso, eles dizem: -Não, o diabo anda por aí-. Mas para você que está conforme o evangelho da incircuncisão, diz: "Porquanto os filhos participaram de carne e sangue, ele participou do mesmo, isto é, para destruir ao que tinha o império da morte, isto é o diabo". Então, você anda conforme uma palavra, você anda conforme a lei da fé que diz que o diabo foi destruído. E se o evangelho diz, eu creio. Então, por qual das leis? Pela lei das obras? Ou pela lei da fé? Ou você anda na lei das obras, ou você anda na lei da fé, crendo naquilo que Deus disse.
 
- Pastor, são dois fundamentos? Sim, dois fundamentos: obras mortas, e caminho vivo; Jesus de Nazaré, e Jesus Cristo o Ressuscitado; Pedro ou Paulo; o sistema ou Crescendo em Graça. (Aplausos)
 
Vamos ver várias observações e várias exortações que fez o apóstolo Paulo quanto ao fundamento que pregou. Vamos rapidamente, Gálatas, capítulo 1, versículo 10, porque o evangelho é exigente. Eu sei que o evangelho é fácil e leve, mas também é exigente. Uma vez que você tenha começado no caminho novo e vivo, já não pode parar na metade do caminho, você tem que seguir crendo naquilo que Deus disse. Gálatas, capítulo 1, versículo 10 diz: "Pois, busco..." Estamos todos aí? ABA PAI? Observe, o fundamento ou o apostolado da circuncisão busca o favor dos homens. Então o apostolado e o fundamento da incircuncisão não busca o favor dos homens, busca o favor de Deus. Você sabe, ou você serve aos homens ou serve a Deus. É por isso que o apóstolo Paulo estabeleceu que o evangelho é loucura para nós que cremos. Por quê? Porque para os homens, nós estamos loucos, sem dúvida para Deus nós estamos com o juízo perfeito.
 
Então veja o que diz o versículo 10, diz: "Pois, busco agora o favor dos homens, ou de Deus?..." Ouça, essa é uma pergunta que você deve fazer. Os pastores a nível internacional, você deve buscar, qual favor você está buscando? Porque se você estiver buscando o favor dos homens, pois veja, sobre edifique sobre o fundamento dos apóstolos, da circuncisão. Agora, se você busca o favor de Deus, pois então você está chamado a sobre edificar sobre o fundamento do apóstolo Paulo, que agora nosso Apóstolo José Luis, está pregando para nós. E por isso alguém busca para si perseguição. O selo deste apostolado é que você não busca o favor dos homens, você busca o favor de Deus. "Seja Deus verdadeiro e todo homem mentiroso". Deus disse, eu creio. Essa é a valentia que temos visto em nosso Apóstolo, é a que temos recebido. O primeiro para nosso tempo que vem anunciar uma palavra que não busca o favor dos homens, busca isto sim o favor de Deus. Ainda que seja contra tua lógica, contra teu raciocínio, de quem você está buscando o favor, dos homens ou de Deus?
 
Então, essa é uma pergunta, o apóstolo Paulo vem e contesta dizendo: "...Pois se ainda agradasse aos homens, não seria servo de Cristo." Versículo 9, observe o que diz: "Como antes já dissemos, também agora repito.: Se alguém vos prega diferente evangelho do que haveis recebido, seja..." Quê? "...anátema." Pergunta: O apóstolo Pedro pregava um evangelho diferente do apóstolo Paulo? Diga: Sim, mas diga: -Sim, convencido. Sim ou sim? Sim é "outro evangelho", pois é outro fundamento e se é outro fundamento, já não é o apostolado da incircuncisão, ou melhor, é o apostolado da circuncisão, como Gálatas 2:7 diz. São dois fundamentos. Você sabe que a autoridade de Pedro, a máxima autoridade de Pedro não era uma revelação que ele tenha recebido do Senhor. Simplesmente, o que ele pregava era o resultado de suas andanças com Jesus de Nazaré, era "outro fundamento". Porque quando Paulo fala aos Coríntios diz: "Se alguém vier pregando outro Jesus, ou outro evangelho, outro espírito".
 
Você sabe por quê? Porque Jesus de Nazaré viveu em debilidade. -Pastor, não. Jesus de Nazaré fez milagres -. Mas todo espírito que toma um corpo vive debaixo de debilidade. Então, Jesus de Nazaré, veja lhe davam em uma e ele oferecia a outra. Ele tinha a capacidade de suportar essas coisas, mas estava, veja, ele foi servo da circuncisão, foi servo da maldição, foi servo do cativeiro. Você não vê que os mandamentos, a lei de Moisés encerrou tudo debaixo do pecado? É impossível que você ande no fundamento da circuncisão e tenha a bênção de Deus. Lá não se podia dizer que você estava abençoado, nunca jamais poderia se dizer isso. Porque o apóstolo Paulo estabelece em Gálatas 3:10 que "todos os que dependem das obras da lei estão debaixo de maldição". Então, se você anda debaixo do fundamento da circuncisão, não pode me dizer que está abençoado. Você sempre dirá: -Que Deus te...- Pip! Porque isso é um fundamento de maldição.
 
Veja, é óbvio, é o que se vê. Ligue o rádio, escute os testemunhos, ouça as petições. Pastor, por favor, ore por mim para ver se Deus tem piedade de mim. Senhor. Pastor, por favor, ore por mim para ver se Deus me cura. Pastor, por favor, ore para que Deus desça fogo do céu, poder do alto. Quando no fundamento da incircuncisão diz que você está abençoado com toda benção espiritual, que está completo nele, que é Cristo em vós a esperança da glória. (Aplausos) Então, se você diz, se você confessa que está abençoado, é óbvio que você anda debaixo do fundamento da incircuncisão. É aí que nosso ministério brilha, é aí onde se distingue se alguém anda retamente conforme a verdade do evangelho.
 
Deixe-me lhe dizer, há muitos cristãos, que dizem ser salvos e ainda temos que salvá-los. Porque eles não estão debaixo do fundamento da incircuncisão, eles pensam que estão salvos porque confessaram a Jesus de Nazaré. Mas é necessário que eles conheçam, não a Jesus de Nazaré, que conheçam a Jesus Cristo, o Ressuscitado, Deus sobre todas as coisas. Esse não foi filho de Maria, esse não foi filho de Deus, esse é Deus mesmo. ALÔ!
 
Agora, qual é a garantia que nós temos de que este fundamento verdadeiramente nos leva a perfeição, que nos leva à estatura de varão perfeito? Vamos rapidamente, vamos à Segunda carta aos Coríntios e com isto já estamos concluindo. Segunda carta aos Coríntios, capítulo 3, versículo 7. Estamos todos aí? ABA PAI? Bom o versículo 6 diz: "O qual igualmente nos fez ministros competentes..." De um velho pacto? De um quê? "...de um novo pacto, não da letra, mas do espírito; porque a letra mata, mas o espírito vivifica. E se o ministério de morte..." Observe, o apóstolo Paulo estabelece que o velho pacto é um ministério de quê? De morte, um ministério de morte. Você sabe como é o trabalho do nosso Apóstolo para salvar os crentes? Você sabe como ele os salva? Levando-os de um ministério de morte para um ministério de justificação, para um ministério de vida. A maior transformação que você já experimentou, não foi que o Apóstolo tenha lhe ungido, ou lhe imposto as mãos, simplesmente ele o levou de um ministério da letra para um ministério do Espírito. O levou de um fundamento de obras mortas para um fundamento de um caminho novo e vivo, ele o introduziu ao caminho, a perfeição.
 
- Pastor, esse é o trabalho que temos que fazer com os crentes? Sim. Porque temos que livrá-los de um ministério de morte. A lei só te garante uma coisa, se chama "morte". Então, observe o que diz: "E se o ministério de morte gravado com letras em pedras foi com glória, tanto que os filhos de Israel não puderam fixar a vista no rosto de Moisés por causa da glória de seu rosto, o qual havia de..." Quê? "...de perecer, como não será com maior glória o ministério do Espírito? Porque se o ministério de condenação..." Aqui há outra característica do fundamento da circuncisão, que é um ministério de condenação. Veja, quando falamos destes dois fundamentos podemos fazer uma separação; ministério de morte, e ministério de vida; ministério de condenação, e ministério de salvação; ministério de maldição, e ministério de bênçãos; ministério de morte, e ministério de vida; um fundamento que mata, e um fundamento que vivifica.
 
- Pastor, são importantes estes dois fundamentos? Muito importantes. Muito importantes porque são dois apostolados. Você tem que identificar em qual apostolado você está. Todo pastor que justifica, depois de conhecer esta verdade, justifica o apóstolo Pedro, anda no ministério de condenação, no outro fundamento, nunca vai andar na unidade do Espírito, nunca vai andar na unidade do Espírito de Deus, não vai dar fruto para Deus. Pastor, e como você está certo disso? Muito certo. Você sabe que quando o apóstolo Paulo falou do apostolado da circuncisão disse: "a estes é preciso tapar-lhes a boca porque transtornam casas inteiras". Imagine uma casa cheia de morte, cheia de maldição, cheia de enfermidade. E isso, você pensa; - Ai, isso quem faz é o diabo! -. Não, quem faz isso é uma doutrina, quem faz é um ministério de condenação, quem faz é a lei de Moisés, quem faz isso é o evangelho da circuncisão. Você é testemunha disto.
 
É por isso que todas as pessoas que andam nesse fundamento estão em "aleluia". Eles não podem dizer: "ABA PAI!" Por quê? Porque estão em uma condição caótica, estão deteriorados espiritualmente. Até que cheguem ao ministério de vida, não vão poder reinar. Então, observe que aqui o apóstolo nos indica, dizendo: "Porque se o ministério de condenação foi com glória, muito mais abundará em glória o ministério da justificação." Veja, velho pacto, e novo pacto; ministério de condenação, e ministério de justificação; fundamento de obras mortas, e fundamento de um caminho novo e vivo; Jesus de Nazaré, e Jesus Cristo; morte e vida. Por isso Jesus disse: -Vejam, eu vim trazer vida, e vida com abundância.
 
Você sabe porque Jesus disse que veio trazer vida e vida com abundância? Porque a vida não estava presente quando ele estava ali. Se a lei tivesse vida, ele não teria descido, ele não teria se vestido de carne. ALÔ! Deus não faz as coisas por capricho, Deus tem propósitos. Então, você e eu temos que estar bem firmes, sobre qual fundamento estamos sobre edificando? Qual palavra nós estamos escutando? Qual é a confissão que está saindo da nossa boca? Em qual fundamento estamos estabelecidos? Qual apóstolo você está ouvindo? A qual apostolado você pertence? Isso porque você não pode estar aqui e lá. Você tem que chegar a uma conclusão. Veja, concluímos. O apóstolo Paulo disse: "Concluímos pois, o homem é justificado pela fé ". Concluiu.
 
Então observe o que diz: "...se o ministério de condenação foi com glória, muito mais..." Diga: MUITO MAIS. "...muito mais abundará em glória o ministério da justificação." Você sabe que estamos vendo essa glória? Veja, estamos vendo essa glória com o rosto descoberto. Veja, estamos vendo abençoados chegarem ao conhecimento desta palavra de graça e terem suas vidas transformadas. Eu fico encantado quando nosso irmão Rafael passa por aqui. Pastor, essa palavra é tremenda. Da mesma maneira, os testemunhos locais, como os testemunhos internacionais são países, Venezuela entrou em uma nova glória. Por quê? Porque passou de um fundamento de obras mortas para um fundamento de um caminho novo e vivo. Colômbia está reinando em vida por que passou de um fundamento para outro. Tem que saber, saber a qual fundamento estamos apoiando. Você está apoiando um fundamento glorioso, um ministério de justificação.
 
Vamos rapidamente e com isto concluímos, conforme as instruções de nosso Apóstolo. Romanos, capítulo 5, versículo 17. Agora vamos a um dos mistérios mais famosos que nosso apóstolo nos ensinou, que é o mistério "da mesma maneira". Quantos têm escutado esse mistério? Diz: "pois se pela transgressão de um só..." Estamos todos aí? ABA PAI? Diz: "Pois se pela transgressão de um só reinou a morte, muito mais reinarão em vida por um só, Jesus Cristo, os que recebem a abundância da graça e o dom da justiça. Assim que, como pela transgressão de um veio a condenação a todos os homens, da mesma maneira..." Diga: DA MESMA MANEIRA. "... da mesma maneira pela justiça de um veio a todos os homens a justificação da vida." Da mesma maneira. Um fundamento velho, um fundamento novo; um fundamento de condenação, um fundamento de justificação.
 
Diga comigo: EU ESTOU SOBRE EDIFICANDO SOBRE O FUNDAMENTO DA INCIRCUNCISÃO. EU REINO EM VIDA, EU SOU PARTICIPANTE DESTE MINISTÉRIO DA JUSTIFICAÇÃO.
 
 
publicado por brasileiro às 11:17
sinto-me: